Super Cérebro

Além das escolas: o método Super Cérebro atuando em diversas esferas pedagógicas, sociais e interativas

Publicado em: 18/01/2021

Por Thaiany Osório, para Super Cérebro


Com as aulas suspensas e as escolas fechadas devido à pandemia da COVID-19, o setor educacional estagnou em 2020. Em várias regiões do Brasil, as medidas restritivas não apenas afastaram as crianças das escolas, como também fecharam clubes, parques, empresas e serviços destinados às pessoas com +60 anos. Entretanto, o método Super Cérebro é flexível e dinâmico, encaixando-se em diversas realidades e atuando no desenvolvimento das habilidades cognitivas e socioemocionais. 

Pensando nisso, separamos algumas áreas de atuação do método Super Cérebro que não se restringem às escolas. Os depoimentos são de Santo André (SP), Rio de Janeiro (RJ), Cuiabá (MT), Chapecó (SC) e Curitiba (PR).


Buffet Infantil - Santo André (SP)

Rosa Gyurkovitz, junto da sua sócia, Erika Santos, adquiriu sua franquia no final de 2019, em Santo André (SP), Região Metropolitana de São Paulo. Impossibilitada de visitar as escolas no primeiro semestre do ano devido à COVID-19, decidiu aproveitar a oportunidade e tentar parceria com os buffets da cidade, que foram liberados para funcionar em outubro com 40% da capacidade de lotação. 

“Mandei proposta para mais de 20 buffets, e um deles me respondeu no mesmo dia”, conta Rosa. O buffet em questão, que já possuía uma área kids, se reinventou na pandemia e passou a servir pizzas à noite. “Para mim foi ótimo, porque organizei uma colônia de férias e com o valor que paguei por criança, incluí a alimentação e a estrutura”. O sucesso foi tamanho que Rosa fez duas colônias em dezembro, uma com duração de 10 dias e outra de três, com número limitado de alunos.

Uma das estratégias comerciais de Rosa, durante a colônia de férias, era divulgar o Super Cérebro e conhecer seu público. Assim, ao pedir para os pais assinalarem de quais colégios os filhos vinham, ela facilitou sua entrada nas escolas quando as aulas voltarem. “Fui criando possibilidades. Ainda acredito que teremos um ano difícil, mas vamos fazendo essas divulgações e criando parcerias para garantirmos retorno em 2022”, explica Rosa, que hoje está em negociação com o shopping ABC, em Santo André, para oferecer oficinas às crianças no primeiro trimestre de 2021.



Igreja e Centro profissionalizante - Rio de Janeiro (RJ)

Alessandra e Michel Silva, de Campo Grande, Zona Oeste da capital carioca, adquiriram sua franquia em setembro de 2020. Dada a dificuldade de firmar parcerias com escolas, a princípio, pensaram em tentar contato com igrejas. “Quando conhecemos o método, automaticamente o linkamos com esse tipo de estabelecimento, que reúne grande diversidade e número de pessoas”, explica Alessandra. A proposta de parceria foi bem recebida pelos pastores da Dunamis Igreja, que já contava com um histórico de atuação educacional. “Os olhos deles brilharam quando ouviram a proposta, então fechamos a parceria”, conta.

Não foram somente as vantagens relacionadas à diversidade e quantidade de pessoas circulando na igreja que conquistaram Alessandra. Formada em Serviço Social, sempre teve um olhar voltado à educação inclusiva e viu uma oportunidade única de apresentar o método a quem não tem poder aquisitivo para bancar uma educação particular. “Mas essas pessoas conseguem custear uma melhora na educação através de cursos extracurriculares”, pondera ela. 

Além da igreja, Alessandra e Michel também firmaram parceria com o centro profissionalizante “Aguilar Formação Profissional”, cuja proposta pedagógica também vai de encontro com o Super Cérebro. Destinado às mulheres, o centro oferece diversos cursos complementares para quem tem formação geral e pretende cursar pedagogia. 



Clínica de idosos - Cuiabá (MT)  

Trabalhar com o público 60+ sempre foi o objetivo de Mônica Meirelles, da unidade Super Cérebro de Cuiabá (MT). Há tempos vinha se preparando, participando de diversas feiras e cursos destinados a esse público, quando adquiriu a franquia no início de 2020. Pouco depois fechou parceria com uma clínica de idosos renomada na capital. Assim, além das aulas de ginástica, hidro e outras diversas atividades oferecidas no local (além do setor de saúde), ali também seriam ofertadas aulas do Super Cérebro.

Com a pandemia, muitos idosos se isolaram. Atualmente, Mônica está atuando em uma turma pequena, respeitando o distanciamento entre os alunos. Mesmo com a baixa adesão dos idosos devido à pandemia, ela acredita no potencial do método e na força do seu público. 

“O perfil do idoso está mudando. Existe uma faixa grande de ativos que procuram uma atividade de estimulação cerebral”, conta ela, citando a carência que sentem de socialização. “No final do ano uma das minhas alunas ganhou certificado, e ficou muito feliz. Ela foi um exemplo pro resto da turma”, relembra, reforçando a necessidade de existirem materiais de qualidade destinados exclusivamente ao público +60. Para 2021, Mônica  pretende fazer uma aula experimental com os médicos de diversas clínicas da região para apresentar o Super Cérebro. 


Clubes - Chapecó (SC) e Curitiba (PR)

Uma das características que encantou Solange Kuhn, da unidade Super Cérebro de Chapecó (SC), foi a flexibilidade de horários que os clubes apresentam. Atuando desde fevereiro de 2020 com sua franquia, também viu as parcerias com as escolas enfraquecendo devido à pandemia. Entretanto, a roda do destino mudou ao fechar parceria com o clube CRC no final do ano, que já possuía aula de ginástica e era destinado ao público infantil. 

“Na mesma hora gostaram da ideia e, quando o diretor foi apresentado ao método, fechou negócio”, relembra Solange. Ali lhe ofereceram uma sala particular e em dezembro começou a divulgação da colônia de férias, que não chamou muito a atenção. Felizmente, com a virada do ano, um novo convite foi enviado aos sócios. “Foi quando começou a chover ligação. Fechei a turma de dez alunos bem rápido e tive até mesmo que recusar cliente, devido a aglomeração”, conta. Graças ao sucesso da colônia, precisou abrir uma segunda turma para a semana seguinte. Para 2021, pretende reforçar suas estratégias e oferecer aula experimental para outros clubes da cidade.

Quem também procura diversificar em suas atuações é Janaina Barros, da unidade de Curitiba (PR). Ela e sua sócia, Lycia Kawakami, adquiriram a franquia no final de 2019 e fecharam parceria no início de 2020 com o clube Curitibano, bem-afamado na capital. Tinham planejado um grande evento para março que precisou ser cancelado quando o clube fechou devido ao Coronavírus. Contudo, em fevereiro, tiveram um mês bastante produtivo em um Centro de Convivência de terceira idade, que trabalha com fisioterapia e outros exercícios voltados para pessoas com +60 anos. 

A princípio com 8 alunos, a vantagem do Centro é a possibilidade de atender não somente alunos, mas também público externo. “Diferente do Clube Curitibano, eu posso levar alunos novos, o que é muito vantajoso para o Centro.”, explica Janaina. Para 2021, ela pretende reforçar as parcerias firmadas no ano anterior, com o clube e o centro de convivência, e procurar outros parceiros em escolas de línguas. “Temos expectativa de seguir para outros ramos de atividades, para não dependermos tanto das escolas”, conta ela.


Serviço:

Unidade Santo André (SP) 

(11) 93704-2194

Instagram e Facebook

Unidade Campo Grande (RJ)

(21) 97173-4955

Instagram e Facebook

Unidade Cuiabá (MT)

(65) 99982-7569 ou  (65) 99914-5252

Instagram e Facebook 

Unidade Chapecó (SC)

(49) 2020-0402 ou (42) 99182-0606

Instagram e Facebook 

Unidade Curitiba (PR)

(41) 99825-6789 ou  (41) 99967-2011

Instagram e Facebook 


Tags: socioemocionais, clubes, centro profissionalizante, clínicas, colônia de férias, aula experimental
Leia Mais